A doença auto-imune é uma epidemia moderna da sociedade. Hoje existem mais de 100 doenças autoimunes, e a AARDA (Associação Americana de Doenças Autoimunes) estima que 50 milhões Os americanos têm uma ou mais doenças auto-imunes.

Mas por que isso está acontecendo? Embora um terço do risco de desenvolver doenças autoimunes seja provocado por predisposição genética, os outros dois terços são devidos à dieta, estilo de vida e meio ambiente.

Os especialistas reconhecem que certos fatores alimentares, escolhas alimentares e estilos de vida são essenciais para doenças autoimunes. Isso também significa que podemos gerenciar e cuidar de doenças auto-imunes regressão simplesmente mudando sua dieta e tendo mais consciência do seu sono, atividade e exercício.

Conteúdo do artigo:

  • O que é o AIP?
  • Como o AIP é diferente de outras dietas?
  • A ideia, objetivo, estratégia e foco da AIP
  • Como o Protocolo Autoimune AIP funciona
  • Quem é adequado e quem não é adequado para o AIP
  • Prós e contras da dieta AIP
  • Pesquisa e potencial
1 O que é o AIP?

O Protocolo Autoimune (PAI) é uma abordagem complementar ao tratamento de doenças crônicas, focada em fornecer ao corpo os recursos alimentares necessários para o funcionamento equilibrado do sistema imunológico, hormônios, intestinos e ajudar a curar os tecidos, além de substituir os estímulos inflamatórios da nutrição e da imagem. da vida. Ou seja, a dieta AIP forma uma dieta equilibrada e completa, evita alimentos refinados e processados ​​e calorias vazias, e no estilo de vida, a AIP incentiva: sono adequado, gerenciamento de estresse e atividade - como estimuladores inseparáveis ​​do sistema imunológico. Considera-se que os alimentos contêm dois tipos de componentes: os que promovem a saúde (nutrientes) e os que prejudicam a saúde (compostos inflamatórios). Embora também existam tipos de ingredientes que não fortalecem ou prejudicam a saúde, eles não são usados ​​para avaliar os benefícios e o valor dos alimentos.

Existem mais de cem doenças autoimunes confirmadas e um número significativo de doenças de origem autoimune (lista completa aqui) A causa raiz de todas as doenças autoimunes é a mesma: o sistema imunológico, que deveria nos proteger da invasão de microorganismos, se volta contra nós e ataca nossas proteínas, células e tecidos. Mas quais proteínas, células e tecidos ficam sob fogo determina a doença auto-imune e seus sintomas. Por exemplo, na tireoidite de Hashimoto, a glândula tireóide é atacada, na artrite reumatóide, nos tecidos das articulações e na psoríase, nas proteínas das camadas das células que estão contidas na pele.

Como o sistema imunológico pode ficar confuso e atacar seu próprio corpo? Acontece que a autoimunidade (a capacidade do sistema imunológico de atacar tecidos nativos) é um "acidente" relativamente comum. Cerca de 30% das pessoas terão níveis mensuráveis ​​de autoanticorpos (anticorpos que se ligam a certas proteínas do corpo em vez de (ou além de) um antígeno - uma proteína estranha) no sangue a qualquer momento.

Essa falha é tão comum que nosso sistema imunológico tem a chance de cometer vários erros ao detectar e suprimir a autoimunidade. O que acontece em uma doença autoimune não são apenas os casos de autoimunidade, mas também a recusa do próprio sistema imunológico em combater e acumular tantos danos nas células / tecidos que ele manifesta como sintomas da doença.

Essa cadeia (que termina em uma doença auto-imune) é o resultado da interação entre seus genes e o meio ambiente. Esta é a tempestade ideal de fatores em que o sistema imunológico deixa de se distinguir (nosso corpo) do "ocupante". AIP é uma estratégia que usa dieta e estilo de vida para regular o sistema imunológico, interrompendo esses ataques e permitindo que o corpo se cure.

2 Como o AIP é diferente de outras dietas?

A diferença entre o protocolo autoimune e outros padrões alimentares é que a AIP traça uma linha entre "sim" e "não" para obter a quantidade máxima de compostos saudáveis ​​na dieta e reduzir o número de substâncias nocivas. Pessoas inteiras ou saudáveis ​​podem tolerar alimentos menos ideais e pagar por isso, ao contrário de pessoas com problemas de saúde. O protocolo auto-imune pode ser visto como uma versão econômica de outras estratégias alimentares baseadas em evidências.

O protocolo auto-imune concentra-se em alimentos densos, ricos em nutrientes (miudezas, frutos do mar, vegetais). No entanto, o AIP exclui alimentos que são permitidos no Paleodieta típico e estimulam o sistema imunológico ou prejudicam o intestino: em especial a erva-moura (tomate, pimentão etc.), além de ovos, nozes, sementes, álcool.

3 O objetivo, idéia, estratégia e foco da AIP

O objetivo da AIP é reabastecer o corpo com nutrientes, evitando qualquer alimento que contribua para a doença ou atrapalhe os esforços de recuperação do corpo. AIP é uma estratégia que elimina produtos que estão retendo nossa saúde. A AIP também prevê que categorias remotas de alimentos que ainda possuem certas preferências alimentares possam ser reintroduzidas na dieta. A AIP não é uma sentença de prisão perpétua, mas uma ferramenta que fornece uma compreensão de como nosso corpo responde a alimentos, estilos de vida, meio ambiente e leva em consideração problemas de saúde individuais.

A idéia da AIP é que é uma abordagem holística da saúde e não se limita à dieta, mas também se concentra em outros fatores da vida que são importantes para os gerentes da função imunológica - intestinos e hormônios.

O foco da PAI: sono adequado, controle do estresse, evitar fadiga e esforço excessivo, levando um estilo de vida ativo. Todos esses fatores e suas conexões afetam diretamente o microbioma intestinal e o sistema imunológico:

  • estresse crônico + esforço excessivo - aumenta a permeabilidade intestinal;
  • sono + nível de estresse + atividade - os principais gerentes de hormônios;
  • estresse + fadiga - tornam o corpo mais vulnerável à inflamação;
  • aspectos regulatórios do sistema imunológico são mais ativos quando dormimos e a qualidade do sono está associada ao estresse;
  • comunicação + tempo na natureza, pelo contrário, contribuem para a saúde dos sistemas imunológico e outros.
4 Como o Protocolo Autoimune AIP funciona

2 + 1 tipos de produtos em AIP

Alguns alimentos são superalimentos para a dieta: eles contêm muitos componentes úteis (por exemplo: a maioria dos vegetais, frutos do mar e carne de órgãos, isto é, miudezas) e poucos (ou nenhum) que prejudicam a saúde.

Outros produtos estão "perdendo": faltam (ou não têm) componentes que fortaleçam a saúde e, ao mesmo tempo, são preenchidos com compostos problemáticos. Exemplos de alimentos "não vencedores" incluem cereais sem glúten, amendoim e a maioria dos produtos de soja.

Há também um terceiro tipo de produtos da zona "cinza", entre os dois extremos. Como o tomate: eles contêm alguns nutrientes, mas também são ricos em vários compostos que estimulam demais o sistema imunológico. Os tomates foram até usados ​​por pesquisadores em vacinas, como adjuvantes .

Como o Protocolo Autoimune AIP funciona

O protocolo paleo-auto-imune funciona abordando quatro áreas-chave que são fatores importantes em doenças crônicas e auto-imunes. Com base nas informações coletadas em mais de 1200 estudos científicos, essas diretrizes de dieta e estilo de vida da AIP visam:

1. Densidade de nutrientes. O sistema imunológico (e, de fato, todos os sistemas do corpo) precisa de muitas vitaminas, minerais, antioxidantes, ácidos graxos essenciais e aminoácidos para o funcionamento normal. Deficiências e desequilíbrios de micronutrientes são atores-chave no desenvolvimento e progressão de doenças autoimunes. O foco no consumo dos alimentos mais nutritivos permite que os excedentes sinérgicos de micronutrientes corrijam deficiências e desequilíbrios, apoiando a regulação do sistema imunológico, sistemas hormonais, sistemas de desintoxicação e produção de neurotransmissores. Uma dieta rica em nutrientes fornece os blocos de construção que o corpo precisa para curar os tecidos danificados.

2. Saúde intestinal. Disbacteriose intestinal e "intestino com vazamento" são fatores-chave no desenvolvimento de doenças autoimunes. Os alimentos recomendados pelo protocolo auto-imune apóiam o crescimento de níveis saudáveis ​​e uma variedade saudável de microorganismos no intestino. Alimentos que irritam ou danificam a mucosa intestinal, bem como a composição microbiana do intestino, devem ser evitados. Em vez disso, vale a pena escolher produtos que ajudem a restaurar a função de barreira do intestino e do microbioma e promovam a cura.

3. Regulação de hormônios. O que comemos, quando e quanto afeta os vários hormônios que interagem com o sistema imunológico. Quando fatores dietéticos (como alimentos com alto teor de açúcar ou lanches regulares, em vez de refeições saudáveis ​​que são quebradas ao longo do tempo) interrompem a regulação hormonal e o sistema imunológico é exposto a eles (geralmente estimulado). AIP é projetado para estimular a regulação dos hormônios e, portanto, do sistema imunológico. Os hormônios também dependem de quanto dormimos, quanto tempo passamos ao ar livre, quanto e que tipo de atividade obtemos e quão bem somos capazes de reduzir e gerenciar o estresse.

4. Regulação do sistema imunológico, o que é alcançado restaurando uma variedade e uma quantidade saudáveis ​​de microrganismos saudáveis ​​no intestino. E restaurando a função de barreira do intestino, fornecendo um número suficiente de oligoelementos necessários para o funcionamento normal do sistema imunológico e a regulação dos principais hormônios. A dieta e estilo de vida da AIP fornecem recursos e capacidade de regular a imunidade. A regulação imune em combinação com a cicatrização de tecidos é exatamente o que explica a redução dos sintomas de doenças autoimunes.

A inflamação é um fator em todas as doenças crônicas e é uma área na qual os alimentos podem ser importantes e mudar muito. Em alguns casos, um sistema imunológico que não se regula adequadamente causa doenças; em outros casos, é apenas um elemento da doença ou a causa de sua ocorrência. Mas a inflamação está sempre presente. Isso significa que reduzir a inflamação e fornecer ao sistema imunológico os recursos necessários e a auto-regulação pode ajudar em qualquer doença crônica. Isso é importante porque a inflamação é afetada criticamente por nossa dieta, nosso bom sono, nossa suscetibilidade ao estresse e nossa atividade. É por isso que as doenças crônicas podem reagir de forma positiva e perceptível a mudanças em nosso estilo de vida.

É importante que os alimentos tenham potencial terapêutico para qualquer doença crônica, mas isso não faz dos alimentos uma cura. Dependendo da doença que você está tentando combater, sua duração, agressividade, bem como suas complicações específicas, as mudanças em sua dieta podem levar a uma recuperação completa ou a uma desaceleração na progressão da doença. Esses são os sucessos que valem a pena. Uma boa dieta pode não ser a panacéia em que você confia, mas pode ajudar.

Quando você aceita os termos do protocolo auto-imune, suas escolhas alimentares se concentram na ingestão de nutrientes para manter a recuperação. São produtos que fornecem ao corpo tudo o que é necessário para parar de se atacar, reparar os tecidos já danificados e tornar-se saudável. São eles: proteínas, carboidratos, gorduras - para metabolismo normal, construção de novos tecidos e produção de hormônios, proteínas importantes e moléculas de sinalização. Ele também contém uma variedade de vitaminas, minerais e antioxidantes solúveis em gordura e em água para se livrar da inflamação, regular o sistema imunológico e manter o funcionamento normal de todos os sistemas do corpo.

5 Quem é adequado e quem não é adequado para o AIP

esta a dieta é adequada qualquer pessoa diagnosticada ou suspeita de ter uma doença auto-imune. Uma dieta livre de alimentos que irritam o intestino, causam disbacteriose e ativam o sistema imunológico. Tem nutrientes suficientes e, portanto, a nutrição pode ser respeitada ao longo da vida. Observe que, se sua doença autoimune causar sensibilidade a determinados alimentos fora da nossa lista, vale a pena considerar.

A dieta não será adequada ou pode causar dificuldades para vegetarianos e veganos. A AIP envolve o consumo de carne e miudezas e a remoção de produtos como leguminosas, soja e toucadores. E se os vegetarianos e veganos ainda puderem lidar com os primeiros, a remoção de leguminosas vitais, a soja será mais difícil porque são uma parte significativa de sua dieta.

6 Prós e contras da dieta AIP

Se falarmos do Protocolo Autoimune, os prós e os contras dessa estratégia podem ser combinados.

Contras: Por um lado - essa é uma dieta restritiva, remove da dieta uma lista significativa e considerável de alimentos familiares e acessíveis, o que complica a transição para esse tipo de alimento.

Mas, ao mesmo tempo, o protocolo auto-imune é uma dieta de eliminação (100% de conformidade com a PAI é freqüentemente chamada de fase de eliminação). E a reintrodução dos alimentos que você evitou faz parte dessa dieta de eliminação para otimizar a saúde ao longo da vida.

Saiba mais sobre a reintrodução, em particular como fazê-lo, quando fazê-lo e quais produtos entrar primeiro: aqui.

Existe uma experiência comum quando uma pessoa começa a se sentir tão bem na AIP que tem medo de tentar a reintrodução. Mas a reintrodução é um passo crítico no caminho para a saúde. Por quê? Como alguns alimentos apreendidos (como ovos, nozes, sementes, cacau e laticínios) têm um valor nutricional significativo e podem melhorar a densidade geral de nutrientes da dieta, se bem absorvidos pelo organismo.

Além disso, se você tem flexibilidade em sua dieta - quanto mais fácil a vida, menor a dificuldade de comer em restaurantes ou em viagens, em uma reunião de negócios, em reuniões com amigos ou em outra situação social. E o conhecimento de sua percepção, que você receberá de apresentações repetidas, oferece novas oportunidades. Se a reintrodução for boa, você terá novos alimentos que devem ser adicionados à dieta e, portanto, diversificados.

As desvantagens incluem a dificuldade de reintrodução. Embora seja importante entender que mesmo a reintrodução falhará, também haverá informações importantes que informarão sobre os fatores e produtos que afetam e causam sua doença. No futuro, você saberá quais rostos não devem ser cruzados.

Se a reintrodução for ruim (o que acontece, mas muito raramente), lembre-se de que o AIP é um ótimo conjunto de ferramentas para recuperação e agora você tem as habilidades e conhecimentos para se recuperar rapidamente. Volte ao AIP 100%, ajuste seu sono e reduza sua atividade até se sentir melhor.

7 Pesquisa e potencial

Baseando-se em obras de mais de 1200 pesquisa, AIP é apoiado por evidências de ensaios clínicos.

Agora, a abordagem Paleo de Sarah Ballantyne (PhD) ainda é o mais recente guia da AIP, e o Guia de cura autoimune de Mickey Trescott (Mickey Trescott, NTP) e Angie Alt, NTC , CHC) - um recurso que ajuda a seguir o protocolo autoimune.

Skopincev
Dmitry Skopintsev

neurologista, médico de família, médico de Ayurveda, fitoterapeuta, fundador e médico chefe da Clínica Ayurvédica de Salendula (Hungria)

 

A medicina conhece várias doenças autoimunes, mas também há um grande número de reações que não estão incluídas em certas nosológico grupos e não são descritos por diagnósticos específicos, mas impedem que uma pessoa viva.

O protocolo AIP visa salvar uma pessoa desses problemas, mas existem alguns "BUTS".

Primeiro, existem vários produtos que são benéficos em termos de PAI, mas não sabemos como o corpo de uma pessoa reagirá, por exemplo, à carne dos órgãos internos dos animais. Uma pessoa pode não ter enzimas ou outras enzimas necessárias para decompô-las. E para esse grupo de proteínas em humanos criará um novo complexo imunológico. E o complexo imune já é um mecanismo sensibilizante, irrita o sistema imunológico e o torna mais agressivo. Se isso acontecer duas ou três vezes, haverá uma dominância na memória do sistema imunológico (porque existem certas células e moléculas que são portadoras da memória). O sistema imunológico lembra que houve uma reação a um determinado produto e, quando o produto entra no corpo novamente, ocorre agressão em seu próprio trato gastrointestinal. A ciência conhece os principais produtos para os quais ocorre a autoimunidade (lactose, glúten, etc.). A complexidade das doenças autoimunes é que ninguém pode dizer com certeza se uma pessoa tem uma reação paradoxal a um produto, inclusive a partir do protocolo.

Em segundo lugar, é importante não colocar a dieta no centro de tudo. Porque a qualidade dos produtos incluídos na lista (lista de dietas) desempenha um papel importante na nutrição. Existem pessoas que comem pão com facilidade na Eslovênia e não podem comê-lo na Hungria porque é pão diferente, trigo diferente, que determina as gluteninas e como elas são percebidas pelo corpo.

Terceiro, vale a pena considerar a força do trato digestivo. Em algumas, o trato digestivo pode manipular e descartar tudo o que não é necessário - para fornecer auto-limpeza. E em outros PTs é tão fraco que pode ser uma fonte de complexos auto-imunes. A força e a eficiência do trato dependem do estado do sistema nervoso. E o sistema nervoso - das condições sociais, da constituição humana, do caráter, do estresse.

Se uma pessoa sofre de uma doença auto-imune, ela pode tentar a dieta AIP. Mas, como em qualquer doença, você precisa trabalhar de maneira abrangente com grupos auto-imunes - trabalhar com a consciência humana, trabalhar com o sistema nervoso, restaurar as condições sociais e entender que você precisa comer alimentos de qualidade e o máximo que o corpo possa digerir.

Fonte: thepaleomom.com
Tradução: Rhythms Media.ink
Colagens: Rhythms Media.ink

Materiais populares

Você se meteu versão beta website rytmy.media. Isso significa que o site está em desenvolvimento e teste. Isso nos ajudará a identificar o número máximo de erros e inconvenientes no site e a torná-lo conveniente, eficaz e bonito para você no futuro. Se algo não funcionar para você ou você quiser melhorar algo na funcionalidade do site - entre em contato conosco da maneira que for mais conveniente para você.
BETA